Hoje - Ecolojovem - «Os Verdes» no Instituto Superior Técnico

A Ecolojovem - «Os Verdes» esteve hoje no Instituto Superior Técnico, em Lisboa, onde reuniu com a Associação de Estudantes e contactou com os estudantes.


Amanhã - Ecolojovem - Os Verdes no ISCTE



A Ecolojovem - «Os Verdes» estará amanhã, dia 26 de Novembro, pelas 12h30m, à entrada do ISCTE, na Av. das Forças Armadas, em Lisboa, para contacto com os estudantes e distribuição de um documento sobre Educação e Ambiente.   

Gabinete de Imprensa de “Os Verdes”
T: 213 919 642 - F: 213 917 424 – TM: 917 462 769 -  imprensa.verdes@pev.parlamento.pt
www.osverdes.pt
25 de Novembro de 2015

Dia da Floresta Autóctone



Um Ecossistema equilibrado é casa de uma biodiversidade importante para a riqueza natural de um país.

Ao longo de centenas de anos, florestas autóctones têm vindo a ser destruídas para dar local a plantações com maior interesse económico para o grande capital, promovendo uma maior desflorestação com impactos em habitats de inúmeras espécies, circuitos migratórios de aves e o próprio clima.

Também a floresta portuguesa é alvo destes atentados que alteram a paisagem característica do nosso país. A floresta autóctone portuguesa, constituída por sobreiros, azinheiras, castanheiros, loureiros, etc., tem dado lugar a quilómetros de eucaliptais, com vista à rápida produção de celulose para a indústria do papel.

Ao desflorestarmos estamos a contribuir para a perda da biodiversidade do ecossistema, aumentando a erosão do solo, destruindo habitats e muitas vezes, colocando espécies em vias de extinção, destruindo cadeias tróficas que para além da influência negativa no meio ambiente trazem, igualmente, consequências para o ser humano.

A Floresta Autóctone é importante por estar mais adaptada às condições abióticas do meio onde se insere, contribuir para manter o clima e a formação de microclimas onde habitam espécies com características muito particulares, contribuir para reduzir a quantidade de CO2 presente na atmosfera, regular o ciclo da água, ajudar na formação de solo e muitas espécies que constituem a floresta autóctone estão na base de cadeias alimentares.

Por isso, a juventude ecologista não poderia deixar de assinalar este dia como um dia de incentivo à preservação do Meio Ambiente e do equilíbrio dos ecossistemas, casa de todos os seres vivos.

Intervenção de Samuel Tomé, representante do Grupo Parlamentar do PEV no Debate “A Responsabilidade Política para o Desenvolvimento Local”

Encontro Nacional “Juventude e Desenvolvimento Local”

Hotel Lux Fátima, 21 de novembro de 2015

"É importante a participação dos jovens em todos os órgãos da escola, pois não há ninguém mais indicado para dizer o que está mal. É importante que fundamentem e divulguem os vossos colegas." - Samuel Tomé (Partido Ecologista - Os Verdes)















Bom dia a todos e a todas,
Antes de mais, quero agradecer em nome do Grupo Parlamentar do Partido Ecologista “Os Verdes” o convite dirigido pela Federação das Associações Juvenis do Distrito de Santarém (FAJUDIS). Em meu nome pessoal, gostaria de dizer que é um prazer poder estar presente neste debate, no meu distrito e numa cidade onde já vivi e exerci a minha atividade profissional.

A participação jovem na sociedade
Os Verdes e a sua organização para a juventude, a Ecolojovem, vêm no associativismo uma importante forma de mobilização dos jovens, sendo este um meio de incutir nos jovens um espírito de participação cívica em torno das mais diversas questões (ambientais, desportivas, culturais, entre outras).
Os grandes problemas dos jovens são transversais a toda a sociedade (mobilidade, emprego, educação, habitação, saúde, entre outros). Assim, é importante a presença dos jovens da definição de qualquer género de políticas, e imprescindível nas políticas específicas da juventude.
O início da participação jovem nos movimentos associativos poderá começar precisamente nas associações de estudantes das escolas básicas e principalmente secundárias. Por outro lado, é ainda dentro deste âmbito escolar que é importante ter os jovens presentes nos órgãos de gestão escolar. Com efeito, estão previstos representações de estudantes nos conselhos pedagógicos e no conselho geral. É importante que as escolas fomentem a presença dos alunos nestes órgãos, pois o superior interesse abordado nas reuniões é o dos alunos. Ninguém melhor que um aluno poderá expor os principais problemas dos seus pares. É aqui que se deve começar a incutir um espírito de responsabilidade, mas principalmente de participação cívica, nos jovens.
Um outro espaço onde os jovens podem e devem ter um papel ativo é nos Conselhos Municipais de Juventude. Com efeito, as câmaras devem não procurar que este seja um espaço para legitimar o que querem, mas sim onde possa existir uma ampla discussão, reflexão e tomada de posição em torno das questões que são prementes para a juventude, e cujas soluções podem ser encontradas no plano autárquico.

Os Jovens nos Verdes
Os Verdes procuram que exista uma proximidade entre eleitos e dirigentes e os jovens, não só no plano nacional, como no plano local. Esta proximidade não se cinge a quem tem “cartão”, ou seja, a quem é militante, mas a todos aqueles que querem participar e dar o seu contributo. São várias as iniciativas, e podemos destacar, a nível nacional, o Acampamento da Ecolojovem. Subordinado a um determinado tema, acontece todos os anos no final de agosto, e congrega em si um vasto número de jovens, com as mais diversas ações: sessões de esclarecimento, debates, visitas a entidades, distribuição de documentação, entre outras.
A nível local posso dar como exemplo as últimas autárquicas, onde no concelho de Almeirim foi promovido uma ação de apoio à candidata da CDU à Câmara Municipal, Sónia Colaço, membro dos “Verdes” e da Ecolojovem. Houve um debate/ conversa informal com a candidata sobre alguns problemas dos jovens, como a questão do emprego, e também sobre a situação política (esta iniciativa foi na semana da famosa “demissão irrevogável”).
Os Verdes acreditam que é importante a presença de todos. Só assim se conseguirá construir uma verdadeira democracia e uma cidadania mais ativa. Contudo, temos presente que a mobilização é uma parte difícil. Os “Verdes”, por serem um projeto político com questões que despertam o interesse dos jovens (como a ecologia), tem esta dificuldade atenuada.

Responsabilidade política para o desenvolvimento local
Todos nós, como cidadãos, temos o direito de participar na vida política da nossa sociedade, seja a nível local ou nacional. A primeira e essencial forma de participação é o voto. Com efeito, este é a forma de podermos ter uma voz ativa sobre quem queremos que dirija o país. Além disto, todos temos a oportunidade de questionar o poder político. Temos como exemplo os contactos dos deputados, no site da Assembleia da República ou a possibilidade de ir ao espaço reservado às intervenções do público nas sessões públicas das câmaras e assembleias municipais.
Os Verdes têm assumido uma política de representatividade de jovens em órgãos políticos, como assembleias municipais, de freguesia ou executivos municipais. Em Almeirim, eu próprio faço parte da Assembleia Municipal e a vereadora da CDU é também ela uma jovem.
As decisões tomadas nos órgãos políticos pelos Verdes são objeto de debate e reflexão dos coletivos, onde estão não só os jovens, como todos aqueles que queiram estar presentes. O nosso modo de estar na política reflete mesmo isto: a discussão dos temas e o contributo de todos para que a decisão tomada seja de um coletivo e não apenas da pessoa que está no órgão. Nesta forma de fazer política acreditamos que há o que realmente motive as pessoas as estarem presentes e a dar o seu contributo: têm uma voz na defesa dos interesses coletivos e na melhoria das condições de vida de todos nós.
Os jovens são, sem sombra de dúvida, a alanca necessária ao desenvolvimento local. É neles que reside muitas vezes a criatividade e a originalidade necessária a empreender projetos ecologicamente sustentados. O poder político deve apoiar estes mesmos projetos e não ser um entrave. Os Verdes são portadores de uma ideologia que se sustenta num projeto de transformação da sociedade com o objetivo de promover a justiça social, de valorização da natureza, tentando construir assim uma sociedade mais justa, mas desenvolvida, humanizada e sustentável.
Os Verdes têm um lema, que há muito norteia a sua atuação: “Pensar Global, Agir Local”. No nosso entender, é essencial projetar as grandes políticas a um nível geral, contudo, será importante haver uma adaptação às realidades locais. Um dos exemplos que podemos dar aqui foi a campanha “Em Defesa da Produção Nacional”, em que os Verdes defenderam, por todo o país, que devemos consumir aquilo que é produzido a nível nacional. Os Verdes defendem que, nas refeições escolares, sejam privilegiados produtos locais. Isto contribui para o desenvolvimento económico da agricultura local e para uma redução da pegada de carbono com o transporte de bens alimentares.
Para terminar, gostaria de deixar bem vincada esta ideia: Os Verdes defendem que o debate coletivo sobre temas estruturantes da nossa sociedade é o caminho para o exercício pleno da nossa cidadania. As pessoas devem discutir e expor as suas ideias sobre determinado tema, e nos Verdes procuramos que isso aconteça, não só nos órgão nacionais, como sobretudo nos coletivos regionais e locais.
Defendemos ainda que é necessário que as pessoas estejam na política de forma séria, transparente e sem se desviarem daquilo que é essencial – fazer da política uma atividade nobre, que tenha como objetivo e preocupação o bem-estar coletivo e o desenvolvimento do país e não permitir que outros valores se sobreponham. É assim que sabemos estar na política.



Amanhã – 12 de Novembro - Ecolojovem reúne com estudantes do Instituto Superior de Economia e Gestão


A Ecolojovem - «Os Verdes» reúne amanhã, pelas 11:00h, com a Associação de Estudantes do Instituto Superior de Economia e Gestão, nas instalações da Associação (piso -1 do edifício Francesinhas 2), com o objetivo de auscultar as preocupações e problemas dos estudantes que frequentam este Instituto.  
   
Após a realização da reunião, a Juventude Ecologista realiza uma ação de contacto com os estudantes, à entrada do Instituto Superior de Economia e Gestão, com distribuição de documento sobre Educação e Ambiente, que enviamos anexo.  

A Ecolojovem “Os Verdes”
O contato do Gabinete de Imprensa de “Os Verdes”
(T: 213919 642 - F: 213 917 424 – TM: 917 462 769 -  imprensa.verdes@osverdes.pt)
www.osverdes.pt
11 de novembro de 2015

2 de Novembro - Ecolojovem - «Os Verdes» em acção em defesa da Paz

A Ecolojovem – Os Verdes promoveu ontem, dia 2 de Novembro, um conjunto de acções em defesa da paz e contra a realização dos exercícios militares da NATO em Portugal, dos maiores das últimas décadas, e que estão a decorrer em território nacional desde o início do mês de Outubro.
Além de acções de contacto com a população e de distribuição de documentos alusivos ao tema, a Ecolojovem – Os Verdes colocou faixas perto de instalações da Nato em Sesimbra e em Oeiras.








Amanhã - Ecolojovem - «Os Verdes» reúne com Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências de Lisboa


A Ecolojovem - «Os Verdes» reúne amanhã, pelas 11:00h, com a Associação dos Estudantes da Faculdade de Ciências de Lisboa. 
Esta reunião tem como objectivo auscultar as preocupações e problemas dos estudantes que frequentam a Faculdade de Ciências. 
Após a reunião, a Juventude Ecologista realiza uma acção de contacto com os estudantes, à entrada da Faculdade de Ciências com distribuição de documento sobre Educação e Ambiente.

O contato do Gabinete e Imprensa de “Os Verdes”
(T: 213 919 642 - F: 213 917 424 – TM: 917 462 769 -  imprensa.verdes@pev.parlamento.pt)
www.osverdes.pt
28 de Outubro de 2015

Ecolojovem - «Os Verdes» na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas - Lisboa


A Ecolojovem - «Os Verdes» estará amanhã, pelas 13:00h, à entrada da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, em Lisboa, para contacto com os estudantes e distribuição de um documento sobre Educação e Ambiente. 
  
O contato do Gabinete de Imprensa de “Os Verdes”
(T: 213 919 642 - F: 213 917 424 – TM: 917 462 769 -  imprensa.verdes@pev.parlamento.pt) 
www.osverdes.pt 
14 de Outubro de 2015

Ecolojovem considera que luta contra o desemprego tem de ser a prioridade



Os jovens têm direito a uma vida digna em Portugal

Perante o relatório "Tendências Globais de Emprego para a Juventude 2015" hoje divulgado pela Organização Mundial de Trabalho, onde se refere que Portugal registou uma taxa de desemprego jovem de 34,8%, face aos 16,6% da média da União Europeia, continuando a ser um dos seis países do sul do Mediterrâneo cuja taxa de desemprego jovem ultrapassa os 30%, a Ecolojovem – Os Verdes reafirma que é urgente que o combate ao desemprego seja uma prioridade.
Apesar de a taxa de desemprego jovem ter estabilizado nos 13% a nível mundial, continua muito acima dos 11,7% anteriores à crise e cerca de 43% dos jovens da população activa do mundo não tem emprego ou são trabalhadores que vivem em situação de pobreza.
A Ecolojovem – Os Verdes considera muito preocupante que Portugal continue a apresentar esta taxa de desemprego, que tem consequências gravíssimas para a vida dos jovens e a nível do desenvolvimento do país. Além disso, é preciso denunciar que milhares de jovens foram empurrados para a emigração, e que muitos não são contabilizados como desempregados devido a inúmeros artifícios criados pelo Governo no sentido de mascarar os reais números do desemprego.
Os jovens ecologistas manifestam também a sua preocupação pelo facto de o referido relatório salientar a persistência na desigualdade de género na área laboral, pois as taxas de participação das mulheres jovens no mercado de trabalho são consideravelmente mais baixas que as dos homens jovens na maioria das regiões do mundo. Acresce a esta situação o facto de as mulheres continuarem a estar mais expostas ao desemprego que os homens jovens.
A Ecolojovem – Os Verdes reafirma que é urgente uma mudança de políticas de forma a inverter o desemprego e a promover o emprego com direitos. De facto, nos últimos tempos tem aumentado o trabalho temporário, a tempo parcial e os baixos salários e a precariedade tem alastrado de forma brutal, sendo os jovens bastante afectados, muitas vezes não conseguindo outro tipo de emprego.
Estes valores, que representam pessoas que têm o direito a viver e a trabalhar no seu país, são bem demonstrativos de que as políticas de austeridade seguidas até aqui, além de não terem resolvido nenhum dos problemas do país, apenas vieram agravar as condições de vida dos portugueses e fazem com que os jovens se vejam impedidos de iniciar a realização do seu projecto de vida.
Para a Ecolojovem – Os Verdes a luta contra o desemprego tem de ser uma prioridade e outro caminho que não seja este, apenas demonstra uma clara falta de respeito pelas pessoas que caem no desemprego, o que é absolutamente inaceitável.

Ecolojovem - «Os Verdes»
9 de outubro de 2015

Ecolojovem participou no Fórum Juventude Algarve

A Ecolojovem - «Os Verdes» participou no Fórum Juventude Algarve 2020, representada pelo candidato dos Verdes nas listas da CDU às eleições legislativas 2015, Tiago Aldeias


Ecolojovem - «Os Verdes» promoveu Acampamento pela Biodiversidade no distrito de Aveiro

De 26 a 30 de Agosto decorreu o Acampamento pela Biodiversidade promovido pela Ecolojovem - «Os Verdes» no Parque de Campismo da Praia de Cortegaça (Ovar) inserido na campanha para as eleições legislativas de 4 de Outubro, que contou com a presença dos três candidatos do PEV nas listas da CDU por Aveiro, Tânia Simões, Antero Resende e Fátima Flores, e com demais candidatos jovens do PEV a outros círculos eleitorais do país. 
   
Ao longo destes cinco dias de acampamento a Ecolojovem realizou várias iniciativas pelo distrito de Aveiro em torno da proteção da biodiversidade:  
   
Visita à Reserva Natural das Dunas de São Jacinto – área protegida que integra um riquíssimo património geomorfológico, faunístico e florístico que tal como em outras áreas protegidas do país verifica-se a falta de meios nomeadamente humanos, para corresponder à sua efetiva preservação, devido ao corte e redução de verbas pelos sucessivos governos para a área do ambiente.  

Viagem pela Linha do Vouga – entre São João da Madeira e Espinho permitiu constatar, por um lado a importância desta linha ferroviária para a população e para o ambiente e, por outro, verificar o estado de quase abandono a que esta linha tem sido colocada por parte dos governos (PSD/CDS/PS): material circulante rudimentar (por ex. nem sequer as portas fecham automaticamente), estações sem qualquer balcão de atendimento, pouca frequência dos comboios, etc., sendo evidente a necessidade de requalificação/revitalização desta linha centenária. Após a viagem foi colocada uma faixa em Espinho para sensibilizar a população "Linha do Vouga, 100 Anos de História, Não pode Morrer".  
   
Elaboração e colocação de ninhos artificiais em árvores do parque de merendas do Buçaquinho para colmatar a diminuição de lugares de nidificação de aves de pequeno porte como o chapim real, os rabiruivos e as trepadeiras.  
   
Debate sobre a "Erosão da Orla Costeira" – realizado no Furadouro, ao ar livre, em conjunto com a CDU e que contou com a presença do 1º candidato desta coligação por Aveiro, Miguel Viegas, e dos candidatos do PEV Antero Resende e Tânia Simões, abordando uma série de questões associadas à erosão da costa que ameaçam as pessoas e bens, nomeadamente:  
- ligadas ao ordenamento do território em que os autarcas ao longo dos anos têm cometido erros neste domínio, cedendo aos interesses imobiliários e licenciando edificações em cima da costa;  
- ao nível dos impactos das grandes barragens que impedem o percurso natural dos sedimentos;  
- no que concerne aos milhões gastos de forma avulsa, pelos governos, com intervenções pontuais na costa sobretudo após o impacto de grandes intempéries.  
A erosão da costa tem de ser encarada de forma global e integrada, com soluções a curto prazo que defendam as populações e seus bens, com recurso a obras leves como a reposição de areias, solução de algum consenso na comunidade cientifica e perspetivar a médio e longo prazo a deslocação da população caso o avanço do mar seja irreversível.  
   
Visitas e passeios de bicicleta em Salreu-Estarreja (percurso do Bioria) e no município da Murtosa, áreas que integram a Zona de Proteção Especial da Ria de Aveiro que constituem um importante património cultural (por ex. Museu Municipal da COMUR), socioeconómico e ambiental que é necessário preservar e valorizar.  
   
O eucalipto “afasta” a biodiversidade – colocação de seis espantalhos e de uma pirâmide de papelão em Águeda, no mercado municipal (um dos concelhos do país que apresenta a maior área ocupada com eucalipto) numa ação de sensibilização da população para os efeitos nefastos da monocultura do eucalipto, que leva à redução da biodiversidade e de espécies endógenas. No entanto, apesar dos problemas ambientais a médio e longo prazo devido à expansão do eucalipto, uma das primeiras medidas do governo foi procurar liberalizar o plantio desta espécie de crescimento rápido aguçando a gula das celuloses.  
   
Visita à Pateira de Fermentelos – inserida na rede natura 2000 (Zona de Proteção Especial da Ria de Aveiro) e classificada como sítio Ramsar é uma das maiores lagoas naturais da Península Ibérica, uma importante zona húmida rica em flora e fauna que tem sido afetada pela poluição do rio Cértima e invadida por infestantes como os jacintos-de-Água com graves problemas para este ecossistema. 

Debate "Que seja agora, queremos a preservação da Biodiversidade", organizado em conjunto com a juventude comunista no qual saíram duas grandes conclusões: O Estado tem um papel fundamental na garantia e desenvolvimento das políticas e da disponibilização das verbas necessárias para que os organismos, como o ICNF, possam desenvolver o seu trabalho natural, impedindo a sua delapidação e a sua utilização em prol de um grupo muito restrito sem considerar o futuro, o que não tem acontecido com os governos ora do PSD/CDS, ora do PS; A política de preservação do ambiente não pode ser meramente sectorial tem de ser convergente e em  articulação com as políticas económicas, sociais que promovam a qualidade de vida da população, respeitando os direitos laborais e recursos ambientais.

Com o Acampamento pela Biodiversidade a Ecolojovem - “Os Verdes” pretendeu alertar para as políticas erradas dos sucessivos governos que prejudicam o ambiente e a biodiversidade e, ao mesmo tempo, apresentar propostas que permitam promover o desejável equilíbrio entre a conservação da natureza, o desenvolvimento e o direito a ter uma vida melhor. 

A preservação hoje do ambiente será a saúde e o pão do amanhã, mas o bem-estar do amanhã dependerá sempre da qualidade de vida de hoje. Por isso os jovens ecologistas não se reveem nas inevitabilidades que PS, PSD e CDS apresentam e acreditam que há alternativas e soluções para o país e para as pessoas, indo ao encontro das aspirações e necessidades da juventude.

As eleições de 4 de outubro serão um momento de reafirmação do projeto ecologista e da CDU, são a oportunidade para a mudança de que o país precisa! Os Verdes e a CDU fazem parte dessa mudança! Continuaremos a apresentar respostas e soluções ecologistas para o país e para o planeta, num compromisso com a Natureza, base de todas as formas de vida e das atividades humanas.

A Ecolojovem-“Os Verdes”,
O contato do Gabinete de Imprensa de “Os Verdes”
(T:213960308; TM: 917 462 769 -  osverdes@gmail.com)
www.osverdes.pt
2 de Setembro de 2015




Intervenção de Cláudia Madeira na apresentação da Juventude CDU para as Eleições Legislativas 2015 no Quintal Bar em Lisboa


Boa tarde a todos
Bem-vindos a esta iniciativa da Juventude CDU, que reúne a JCP, a Ecolojovem e muitos, muitos jovens que se revêem neste projecto de luta, de esperança e de mudança.

E é disso mesmo que se trata: as eleições legislativas de 4 de Outubro são uma oportunidade preciosa para garantir a mudança de que o país tanto precisa e para reafirmar que a alternativa existe e que está aqui, na CDU!

E aos jovens que dizem que a política não serve para nada, que não pensam ir votar, é preciso esclarecer que votar é também uma forma de dizer basta às políticas que nos destroem a vida, e que cada voto na CDU é mais um voto nos que defendem uma alternativa a este caminho de destruição.

A CDU reconhece e valoriza o papel dos jovens na construção de um mundo melhor, e é por isso que integra nas suas listas vários candidatos jovens, para dar voz à juventude.

Nestas eleições, 11,5% dos candidatos tem menos de 31 anos, e estão representados em praticamente todos os círculos eleitorais.
É também importante valorizarmos a grande diversidade que caracteriza estes jovens que se destacam pela sua intervenção e dedicação: vêm das mais diversas áreas; 3,4% são estudantes, temos trabalhadores em fábricas, call centers, professores, artistas, dirigentes associativos…

A Juventude CDU é tão diversificada mas tão unida por um objectivo comum: levantar o país da desgraça em que tem estado mergulhado, e lutar por um Portugal com futuro.

E a pergunta que todos os jovens – e não só – devem fazer é: é ou não possível ter uma vida melhor, em vez de se tentar sobreviver num país que empurra os jovens para uma nuvem negra de desemprego, de dificuldades, de precariedade e de emigração?

A resposta da CDU a estas questões é muita clara e muito verdadeira. É possível! Nada disto tem que ser assim! Nada disto é inevitável!
A diferença está entre os que acreditam no país e nas suas gentes e os que não acreditam. E nós somos aqueles que acreditamos.

É por isso que, desde o início, temos defendido renegociar a dívida, pôr fim à austeridade, promover a justiça social e o emprego com direitos, defender os serviços públicos e defender a nossa soberania.

Voltamos a dizer: é urgente renegociar a dívida porque, da forma como está estruturada, não é sustentável. Os pesados sacrifícios que nos foram impostos não reduziram a dívida que, em vez disso, não pára de aumentar. Só com uma renegociação dos seus montantes, juros e prazos será possível ter uma folga na economia para criar investimento e emprego.
Mas aquilo a que temos assistido é ao PSD, CDS e PS, os responsáveis pela situação que vivemos, refugiarem-se em questões supérfluas que têm marcado as suas campanhas em vez
de debaterem os problemas reais das pessoas, para continuarem com as mentiras e as falsas inevitabilidades porque, no fundo, não pretendem mudar de políticas.

A realidade é que não estamos melhor, nem vamos estar enquanto não houver uma ruptura a sério com as políticas destes três partidos.
Quantos, de todos os que aqui estamos hoje, sentem na pele ou conhecem um familiar, um amigo, um colega que vive com dificuldades, que tem que adiar os seus planos, ou que teve que emigrar?

Podíamos passar aqui horas a elencar os ataques dos sucessivos governos e particularmente do actual governo PSD/CDS-PP, que conduzem a juventude à pobreza, à instabilidade e à dificuldade em realizar os seus sonhos e aspirações.

Podíamos falar do desemprego, da precariedade, dos custos do ensino, do aumento do custo de vida, do desinvestimento na cultura e no desporto, da delapidação de recursos naturais, da destruição dos transportes públicos, da destruição da vida de milhares de jovens, e tudo isto acontece porque quem governa este país tem um objectivo: o lucro dos grandes grupos económicos em vez do bem-estar das pessoas.

É inaceitável que vão milhões de euros para os bancos, quando se tira à educação, à saúde, ao desporto, e à cultura. Tira-se a tudo o que é fundamental para a juventude portuguesa.

É preciso denunciar que PSD e CDS ganharam as eleições com mentiras e continuaram a mentir ao longo de quatro anos e agora continuam as manobras para iludir os portugueses.

Também o PS não fica de fora deste jogo de mentiras e manipulações. Afinal, sempre que é preciso, são parceiros.

Portanto, é fácil ver que a mudança tão necessária não vai acontecer com a alternância entre PSD/CDS e PS.

Estes partidos podem ter, e têm, muitos meios à disposição para propagar uma campanha que mais uma vez engana as pessoas. Nós podemos não ter os mesmos meios, mas temos algo que mais nenhum tem: esta força única que nos une e que nos faz caminhar juntos por um Portugal melhor.

Haverá voto mais útil do que aquele que defende uma vida melhor para todos?

Reforçar a CDU é uma necessidade, é melhorar a vida das populações, é construir um país mais justo e mais sustentável.

Que seja agora a mudança!
Que seja agora a vida melhor que todos merecemos!
Que seja agora a CDU!

Viva a juventude CDU!
Viva a CDU!

Ecolojovem - «Os Verdes» promove acampamento sob o lema da Biodiversidade, no distrito de Aveiro

A Ecolojovem - «Os Verdes» organiza mais um acampamento de Verão, de 26 a 30 de Agosto. 

Este ano a iniciativa decorrerá no Parque de Campismo de Cortegaça, sob o lema “Acampamento pela Biodiversidade” e contará com diversas iniciativas pelo distrito de Aveiro  
O acampamento deste ano insere-se na campanha para as eleições legislativas de 4 de Outubro e será um momento de reafirmação do projeto ecologista e da CDU.  
A Ecolojovem pretende alertar para as políticas erradas dos sucessivos governos que prejudicam o ambiente e a biodiversidade e, ao mesmo tempo, apresentar propostas que permitam promover o desejável equilíbrio entre a conservação da natureza, o desenvolvimento e o direito a ter uma vida melhor.   
Os jovens ecologistas não se revêem nas inevitabilidades que PS, PSD e CDS apresentam e acreditam que há alternativas e soluções para o país e para as pessoas, indo ao encontro das aspirações e necessidades da juventude.

Durante o acampamento serão promovidas várias ações de contacto com a população, sendo de destacar o debate com o cabeça de lista da CDU pelo círculo de Aveiro, Miguel Viegas, assim como tertúlias, caminhadas, ações de rua, visitas, jogos, workshops e muito mais.

Ecolojovem - «Os Verdes»
O contato do Gabinete de Imprensa de “Os Verdes”

(T: 213 960 308; TM: 917 462 769 - imprensa.verdes@osverdes.pt)
www.osverdes.pt
Lisboa, 24 de Agosto de 2015

Ecolojovem – «Os Verdes» promove Acampamento pela Biodiversidade no distrito de Aveiro


A Ecolojovem – «Os Verdes» organiza mais um acampamento de Verão, de 26 a 30 de Agosto, este ano no Parque de Campismo da Praia de Cortegaça (Ovar) sob o lema “Acampamento pela Biodiversidade” e contará com diversas iniciativas pelo distrito de Aveiro.

O distrito de Aveiro é uma área muito rica em biodiversidade, devido às suas características geomorfológicas. Situado numa região de montanhas sulcadas por vales e planícies lagunares banhadas pela ria, detém um papel importante no contexto da biodiversidade nacional.
O litoral do distrito é arenoso, uma paisagem típica de zonas lagunares, onde destacam como património natural a Reserva Natural das Dunas de São Jacinto (Reserva), a ria de Aveiro (ZPE), a Barrinha de Esmoriz e o rio Vouga, ambos classificados como Sítio - na Rede Natura 2000, a Pateira de Fermentelos e a Pateira de Frossos, entre outros.
Embora na parte litoral do distrito seja, de um modo geral onde se concentram estes ecossistemas com grande valor florístico e faunístico, nomeadamente ao nível ornitológio, esta é uma área extremamente sensível que está exposta à grande pressão humana e aos seus impactos.
A zona do interior do distrito não é menos rico em termos de biodiversidade, mas esta está a ser abarrotada pela expansão da monocultura de eucalipto, diminuindo assim a presença de espécies autóctones prejudicando a fauna, os solos e os recursos hídricos e aumentando a gravidade dos incêndios florestais.

O acampamento deste ano insere-se na campanha para as eleições legislativas de 4 de Outubro e será um momento de reafirmação do projecto ecologista e da CDU (PCP-PEV). O acampamento pela Biodiversidade que terá lugar no Parque de Campismo de Cortegaça (Ovar) contará com a presença de vários candidatos do PEV, alguns da Ecolojovem - «Os Verdes», que integram as listas da CDU pela Círculo Eleitoral de Aveiro, à Assembleia da República, e que participarão nas várias iniciativas previstas: tertúlias, caminhadas, passeios de bicicleta e em transporte público, ações de rua, visitas e workshops.

A Ecolojovem - «Os Verdes» pretende alertar para as políticas erradas dos sucessivos governos que prejudicam o ambiente e a biodiversidade e, ao mesmo tempo, apresentar propostas que permitam promover o desejável equilíbrio entre a conservação da natureza, o desenvolvimento e o direito a ter uma vida melhor.
Os jovens ecologistas não se revêem nas inevitabilidades que PSD, PS e CDS apresentam e acreditam que há alternativas e soluções para o país e para as pessoas, indo ao encontro das aspirações e necessidades da juventude. A alternativa que o país precisa está indissociável do reforço do PEV e da CDU.

O acampamento pela Biodiversidade que terá lugar no Parque de Campismo de Cortegaça (Ovar) contará com a presença dos candidatos do PEV, que integram as listas da CDU pela Círculo Eleitoral de Aveiro, à Assembleia da República, e que participarão nas várias iniciativas previstas: tertúlias, caminhadas, passeios de bicicleta e em transporte público, ações de rua, visitas e workshops.

Que seja agora! Queremos uma política adequada para a preservação da biodiversidade e para a juventude.

Ecolojovem - «Os Verdes»
O contato do Gabinete de Imprensa de “Os Verdes”
(T: 213 960 308; TM: 917 462 769 - imprensa.verdes@osverdes.pt)
Lisboa, 19 de Agosto de 2015

Dia Internacional da Juventude - Ecolojovem – «Os Verdes» exige uma juventude com direitos!



O dia Internacional da Juventude é celebrado hoje, por resolução da Assembleia Geral da ONU em 1999, em resposta à recomendação da Conferência Mundial de Ministros responsáveis pela Juventude reunida em Lisboa entre 8 e 12 de Agosto de 1998.

A juventude pelas suas características etárias é uma geração capaz de impulsionar, transformar, modernizar e alterar o pensamento, dando origem a novas ideias, conceitos e projectos. Por estas e outras razões, os jovens são fulcrais numa sociedade que ser quer desenvolvida e sustentável.

No contexto nacional, a juventude tem e teve sempre um papel importante em diversas áreas com destaque para a intervenção cívica, o desporto, a dinamização cultural, a investigação científica, entre outros.

No entanto, nos últimos anos Portugal tem vindo a assistir a uma tomada de decisões políticas e ideológicas que muito contribuem para a destruição da qualidade de vida das populações, sendo que a juventude é uma das faixas etárias mais afectadas.

Os jovens no nosso país têm-se deparado com elevados níveis de desemprego, ou quando têm emprego, altos níveis de precariedade com salários baixos, más condições de trabalho e horários incompatíveis com a vida pessoal. Muitos destes jovens vêm-se obrigados a emigrar porque não há trabalho nas suas áreas de formação ou o trabalho que existe é mal remunerado ou não oferece boas condições físicas e/ou psicológicas, ou não oferece horário compatível com a vida pessoal.

Assim, em Portugal, torna-se impossível alcançar a emancipação e iniciar família, vida pessoal, ou carreira, tendo consequências visíveis como os altos números da emigração, ou os baixos números de natalidade.
Além da situação de desemprego, são cada vez mais os jovens que têm que abandonar os estudos por falta de formas de financiamento, como, por exemplo, falta de bolsas de estudo.

A estes factores junta-se ainda o desinvestimento na cultura, que não permite a construção completa do ser humano em termos intelectuais, a falta de apoios ao desporto, importante no desenvolvimento de diversas capacidades físicas e motoras nos jovens, bem como o combate a problemas de saúde como a obesidade, a falta de apoios ao associativismo, os cortes na saúde entre muitas outras políticas que agravam os problemas sociais e económicas dos jovens.

Assim, a Ecolojovem - «Os Verdes» exige, neste dia Internacional da Juventude, direitos para a juventude portuguesa e saúda todos os jovens que diariamente lutam por uma sociedade mais justa, por políticas de enriquecimento das populações e por uma vida digna e emancipada.

VIVA A JUVENTUDE!

Programa do Acampamento da Ecolojovem - Aveiro 2015





Mapa com indicação da distância por carro desde Aveiro utilizando a A25 ou a E1:


Acampamento pela Paz - Évora 2015

A Ecolojovem esteve presente no último Acampamento pela Paz que ocorreu nos dias 24, 25 e 26 de Julho de 2015 nas piscinas de Évora e que contou com workshops, torneios e debates.