JOVENS ECOLOGISTAS CONDENAM MAIS CORTES NO ENSINO SUPERIOR

O Ministério da Educação e da Ciência, a 14 de agosto deste ano, anunciou um corte de 1,5% no Orçamento de Estado de 2015 para o Ensino Superior. 
   
Mais uma vez, o Governo prova estar contra políticas socialmente corretas cortando ainda mais o apoio ao Ensino Superior, fazendo com que aumentem as propinas e consequentemente as dificuldades de continuidade dos estabelecimentos de ensino superior.  

Os sucessivos governos PS, PSD e CDS têm afrontado os estudantes e jovens do país com políticas que põem em risco a sua subsistência e o seu futuro, obrigando-os e às suas famílias a suportar os encargos acrescidos com a sua formação e educação. São estes jovens formados que muitas vezes têm que procurar soluções no estrangeiro, sendo forçados a emigrar, deixando para trás as suas vidas, e, deste modo, exporta-se o investimento que o país fez, perdendo-se as gerações que mais formações possuem.

No ano em que se comemoram os 40 anos do 25 de Abril, este corte é uma afronta aos direitos conquistados com a Revolução dos Cravos, por imensos jovens e jovens estudantes, incluindo a constituição de 1976 que refere que "É garantida a liberdade de aprender e ensinar." (Artigo 43º) ou "O Estado promove a democratização da educação e as demais condições para que a educação, realizada através da escola e de outros meios formativos, contribua para a igualdade de oportunidades, a superação das desigualdades económicas, sociais e culturais, o desenvolvimento da personalidade e do espírito de tolerância, de compreensão mútua, de solidariedade e de responsabilidade, para o progresso social e para a participação democrática na vida coletiva." (Artigo 73º).

Deste modo, a Ecolojovem - Os Verdes, vem manifestar o seu total desagrado com a apresentação de mais este corte que afeta, direta ou indiretamente todos os estudantes do Ensino Superior em Portugal, e condena aquilo que é mais uma provocação à liberdade dos jovens e ao desenvolvimento pleno no seu país.

O Partido Ecologista “Os Verdes”
(T: 21 396 03 08/21 396 02 91; Fax: 21 396 04 24; Email: pev@osverdes.pt ou osverdes@gmail.com)
O Gabinete de Imprensa de “Os Verdes” - TM: 917 462 769
Lisboa, 26 de Agosto de 2014

Ecolojovem - «Os Verdes» assinala 25 anos da Juventude Ecologista e 40 anos do 25 de Abril em Beja

De 27 a 31 de Agosto os jovens ecologistas voltam a juntar-se no acampamento de verão da Ecolojovem - «Os Verdes», desta vez no distrito de Beja, sob o lema “As portas que Abril abriu à Ecologia”, uma vez que neste ano se comemoram os 40 anos do 25 de Abril e o 25º aniversário da Ecolojovem. 
   
Ao realizar este acampamento, os jovens ecologistas pretendem debater e refletir sobre a importância da Revolução de Abril, as suas conquistas e as alterações e progressos que trouxe à nossa sociedade, assim como a importância dos valores e dos princípios ecologistas.  
   
A Ecolojovem - «Os Verdes» rejeita totalmente os constantes ataques que sucessivos Governos têm feito aos valores e aos princípios de Abril e exige o cumprimento efetivo da Constituição da República Portuguesa. Os jovens têm um papel fundamental na afirmação e concretização dos valores de Abril e na luta por um mundo mais justo, equilibrado e fraterno. Valores e lutas que há 25 anos a Juventude Ecologista bem conhece e tem promovido junto dos jovens e, por isso, a par da comemoração do 40º aniversário do 25 de Abril, comemora-se também o 25º aniversário da Ecolojovem - «Os Verdes». Têm sido 25 anos de intervenção ecologista junto dos jovens no sentido da defesa e afirmação dos seus direitos, na defesa do património natural e cultural do nosso país.  
   
A Juventude Ecologista vai continuar a agir por um mundo melhor, pois acreditamos que é possível a mudança!  

À semelhança de anos anteriores, este será um acampamento cultural, político e lúdico, e ainda um espaço de partilha, de encontro e de reflexão sobre o mundo que queremos, um mundo melhor e mais sustentável, sem exploração, sem opressão e sem injustiças, com a participação de jovens de várias regiões do país e que contará com tertúlias, caminhadas, ações de rua, visitas, jogos, workshops e muito mais.

O Partido Ecologista “Os Verdes”
(T: 21 396 03 08/21 396 02 91; Fax: 21 396 04 24; Email: pev@osverdes.pt ou osverdes@gmail.com)
O Gabinete de Imprensa de “Os Verdes” - TM: 917 462 769
Lisboa, 14 de Agosto de 2014

Programa

Acampamento de verão da Ecolojovem-“Os Verdes”
Parque de Campismo Municipal de Beja
27 a 31 de Agosto 

4ª feira – 27/08 (Beja/Serpa)
17h: Reunião CM Beja
17h: Reunião CM Serpa
20h: Jantar de boas-vindas
22h: Peddy paper noturno e ação de rua

5ª feira – 28/08 (Serpa/Beja)
9h: Atelier de arte performativa a partir do poema “As portas que Abril abriu”
11h: Visita à Fábrica de Queijo e à Casa de Artesanato
Almoço (Piquenique)
14h: Visita ao Museu do Relógio e Museu Etnográfico
Visita a Serpa
Contacto com população
20h: Jantar
Fórum: O que conquistámos em 1974 e o que vivemos em 2014

6ª feira – 29/08 (Mértola/Beja)
9h: Visita às Minas de São Domingos
Almoço (Piquenique)
13h: Praia Fluvial da Mina de S. Domingos
Distribuição de documentos
18h: Visita ao Pulo do Lobo
20h: Jantar
Noite livre

Sábado – 30/08 (Beja)
9h: Contacto com população em Beja
11h: Piscinas
Almoço
Jardim Público de Beja
14h:Tertúlia com dirigentes do PEV “25 anos da Ecolojovem: a importância da luta da juventude ecologista”
Leitura encenada de “As portas que Abril abriu”
16h:Workshop: construção de fornos solares e horas verticais
18h: Palavras andarilhas (iniciativa promovida CM beja)
20h:Jantar
Jogos tradicionais

Domingo – 31/08 (Beja)
10h: Reunião/balanço do acampamento nas piscinas
Almoço

Dia Internacional da Juventude - Ecolojovem - «Os Verdes» defende mudança urgente de políticas para a Juventude


No momento em que se assinala o Dia Internacional da Juventude, é com preocupação que a Ecolojovem - «Os Verdes» olha para os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), divulgados ontem, que revelam que a proporção de jovens na população nacional nunca foi tão pequena desde que existem estatísticas. 
   
Os habitantes entre os 15 e os 29 anos representam apenas 17% do total do país, consequência da perda de quase meio milhão de pessoas desta faixa etária ao longo da última década. Os dados divulgados referem ainda que esta geração representa hoje cerca de um terço dos desempregados e metade dos emigrantes permanentes. Ainda segundo o INE, a diminuição do número de jovens é um dos indicadores do fenómeno do envelhecimento que atinge a população portuguesa e reflete a redução continuada do número de nascimentos verificada em Portugal.  
   
Uma geração cada vez mais qualificada mas que, ao mesmo tempo, representa 32% dos desempregados em Portugal, e que abandona o seu país na procura de melhores condições de vida. Em 2012 emigraram 53 mil jovens de Portugal e, destes, cerca de 26 mil fizeram-no de forma permanente, o que representa metade do total de emigrantes permanentes do país. Os que ficam em Portugal, e estão no mercado de trabalho, ganham cada vez menos, em comparação com outros grupos etários, quando trabalham por conta de outrem, diferença salarial que se tem vindo a agravar continuamente desde 2002.  

Para a Ecolojovem - «Os Verdes», os dados divulgados pelo INE não representam uma novidade, devem sim, representar mais um grito de alerta para o atual Governo PSD/CDS, pois são a prova de que as políticas, sucessivamente agravadas, têm vindo a gerar um país cada vez mais envelhecido, sem crescimento, sem sustentabilidade, sem jovens.

Os Jovens Ecologistas rejeitam veemente estas políticas castradoras que têm levado milhares de jovens a abandonar o nosso país, sendo que os que teimam aqui ficar ficam privados dos seus direitos, liberdades e garantias, como sejam, ensino, emprego com direitos, habitação e qualidade de vida.

A Ecolojovem - «Os Verdes» defende que é necessário uma mudança efetiva de políticas que promova a criação de emprego com direitos, políticas que façam com que os nossos jovens deixem de ter como única alternativa o abandono do país.

O Partido Ecologista “Os Verdes”
(T: 21 396 03 08/21 396 02 91; Fax: 21 396 04 24; Email: pev@osverdes.pt ou osverdes@gmail.com)
O Gabinete de Imprensa de “Os Verdes” - TM: 917 462 769
Lisboa, 12 de Agosto de 2014

Acampamento da Ecolojovem - As Portas que Abril abriu à Ecologia

!nota: clica nas imagens!

Intervenção de Cláudia Madeira, da Ecolojovem no acto público por uma Palestina Livre


Boa tarde
Em nome da Ecolojovem - «Os Verdes» agradeço e saúdo todos os que estão mobilizados para a causa do povo palestiniano e que se associaram a este acto público de solidariedade com a Palestina e de denúncia da agressão e ocupação israelita.
Há décadas que o povo palestiniano tem vindo a ser trucidado por Israel, que tem imposto colonatos e mantido reféns centenas de milhares de palestinianos com o objectivo de domínio, colonização e controlo da exploração dos recursos naturais, particularmente dos recursos hídricos, violando os mais elementares direitos humanos.
É nosso dever denunciar e condenar mais este massacre, esta criminosa agressão de Israel à população palestiniana da Faixa de Gaza que não tem poupado escolas, hospitais, instalações da ONU, habitações e inúmeras infra-estruturas básicas, essenciais à garantia das condições de vida da população e que já provocou a morte de cerca de 2000 palestinianos e mais de 9000 feridos, incluindo milhares de crianças.
Estamos aqui para denunciar que as acções do Estado de Israel são ilegais. Estamos perante um genocídio, um crime contra a humanidade que não pode continuar impune e a ser apadrinhado por outros Estados, como os Estados Unidos da América e com a conivência da União Europeia.
Não podemos deixar silenciar estes crimes!
É também preciso dizer que mesmo com o cessar-fogo e mesmo que Israel venha a pôr termo à sua operação militar, isso não representa o fim da ocupação e da opressão do povo palestiniano.
É necessário, é urgente uma resolução justa deste conflito, e isso passa, forçosamente, pelo reconhecimento do Estado da Palestina, pela retirada de Israel de todos os territórios ocupados e pelo fim completo e imediato do bloqueio à Faixa de Gaza.
Consideramos inadmissível que o Governo português não cumpra com os princípios da Constituição da República Portuguesa, que não condene a agressão israelita e que não exija a aplicação das resoluções da ONU.
O Governo português não pode ficar indiferente perante este massacre!
2014 é o Ano da Solidariedade com a Palestina e apelamos a todos que se mobilizem a favor desta causa tão justa, por uma Palestina livre, independente e soberana!
Reafirmamos a nossa solidariedade com a luta legítima do povo palestiniano!
Não deixaremos de lutar até que a Palestina seja livre.
A Palestina existe!
A Palestina resiste!
A Palestina vencerá!

Cláudia Madeira
Acto público – PALESTINA LIVRE! FIM À AGRESSÃO! FIM À OCUPAÇÃO!
07/08/2014