Conclusões do Conselho Nacional do Partido Ecologista “Os Verdes”

O Conselho Nacional do Partido Ecologista “Os Verdes” reuniu hoje em Santarém com vista a debater a situação política e a fazer o balanço de dois anos de Governo PSD/CDS, bem como uma avaliação das visitas feitas na região.
Da reunião, destacamos os seguintes pontos:

1. O Conselho Nacional do PEV constata que dois anos de Governo PSD/CDS permitem ver o rotundo falhanço das suas políticas e das suas opções.
Os Portugueses andam há dois anos a sofrer as consequências dos erros sucessivamente cometidos nas previsões macroeconómicas do Governo. Dois anos a sofrer os efeitos recessivos das suas políticas.
Dois anos a assistir ao aumento galopante do desemprego, à degradação do nível de vida das famílias e ao aumento da pobreza e da exclusão social.
As famílias portuguesas andam há dois anos a levar com sacríficos, com cortes nos salários e nas pensões, com cortes nas prestações sociais, com uma carga fiscal insustentável, com cortes nos direitos e a divida pública não para de aumentar e a recessão continua a agravar-se.
Como indicam as previsões da OCDE, a nossa economia terá uma recessão mais profunda este ano e vai crescer menos em 2014 que o esperado pelo Governo.
Os números do desemprego atingem valores verdadeiramente dramáticos. O desemprego jovem oficial chegou aos 42,5%, se falarmos do desemprego real chegamos a valores que ultrapassam os 50%. Ou seja, metade dos jovens em Portugal, não têm emprego.
Isto sem considerar os milhares de jovens que estão à procura do primeiro emprego, e sem considerar os milhares que se viram forçados a emigrar.
Segundo dados do INE, o Governo obrigou 120 mil portugueses a procurar emprego no estrangeiro, apenas no último ano.
O saldo migratório do ano passado, regressou a níveis dos anos 80, sendo um dos mais negativos em 33 anos.
Em matéria de emprego, aquilo que o Governo tem feito é transformar a precarização do trabalho em regra e multiplicar o desemprego, promovendo o despedimento na Administração Pública e fomentando o despedimento no setor privado.
Em dois anos de Governo PSD/CDS, o nosso património coletivo encolheu, com a privatização de importantes empresas para a nossa economia e que para além de prestarem um serviço público de qualidade aos cidadãos, ainda davam receitas para o Estado.
Dois anos, durante os quais, as medidas tomadas na área do ambiente só visaram garantir os certos interesses económicos, nomeadamente através da privatização de sectores estruturantes nesta área, e não garantir a resolução dos problemas ambientais existentes e uma gestão cautelosa dos recursos naturais e o desenvolvimento do País. A falta de atenção que tem sido dada pelo Governo à questão e ao cumprimento da Lei do Amianto, os passos que foram dados no sentido de privatizar a água e os resíduos ou a politica do Governo em matéria de transportes, a manutenção do Programa Nacional de Barragens, nomeadamente da criminosa barragem de Foz Tua, a estratégia para a Floresta que abre portas largas à eucaliptização, a estratégia para o mar, que passa ao lado dos grandes desafios deste seculo, são exemplos gritantes de dois anos de politicas que estão a contribui muito para o agravamento do estado do ambiente para a degradação dos recursos naturais.
O acesso à saúde é cada vez mais difícil. Os Portugueses estão mais pobres e tendencialmente mais doentes e com menos capacidade para irem aos serviços de saúde. Há milhares de doentes em Portugal que deixam de ter acesso aos cuidados de saúde por motivos económicos e cada vez mais as pessoas deixam de comprar medicamentos porque não têm dinheiro para os adquirir.
O Relatório da Primavera do Observatório Português do Sistema de Saúde alerta para um país em sofrimento, com indícios de racionamento que está a dificultar o acesso dos portugueses a cuidados de saúde.
Por outro lado, assistimos a um crescente abandono escolar no ensino superior por motivos económicos, sem paralelo na nossa história democrática.
Dois anos de Governo PSD/CDS, que prometeram mundos e fundos, foram dois anos de sacríficos em vão, de cortes nos salários e nas pensões, de perda de direitos, de aumento brutal de impostos, de inconstitucionalidades, de privatizações, de empobrecimento da nossa democracia, de agravamento das desigualdades sociais, de fragilização dos serviços públicos, de alastramento da pobreza e da exclusão social, de desemprego, de uma clara demissão do Governo relativamente às Funções Sociais do Estado e às questões ambientais, de falências de empresas, de aumento da dívida pública e do agravamento da recessão.

Face à avaliação que é feita, “Os Verdes” consideram que se tornou um imperativo proceder à mudança de políticas, que este governo já mostrou não conseguir protagonizar. Sendo assim, a solução terá de passar pela demissão deste Governo e pela convocação de eleições antecipadas.

2. “Os Verdes” manifestam a sua solidariedade com a justa luta levada a cabo pelos professores em defesa da escola pública e de qualidade. Uma luta que demonstrou ao País que os professores continuam a constituir uma classe de referência, ao não se intimidarem e mostrarem a sua dignidade, perante um Governo que tudo fez para intimidar os professores, pelo autoritarismo imposto ao tentar coartar o legítimo e democrático direito à greve.

Por fim, “Os Verdes” apelam a todos para se mobilizarem e participarem nos protestos convocados pelas Associações Sindicais, nomeadamente a participação na greve geral convocada para o próximo dia 27 de Junho.

3. “Os Verdes” realizaram ontem visitas e reuniões na região, subordinadas ao tema da agricultura, sector fundamental para a criação de riqueza e emprego e para a sustentabilidade ecológica do território neste Distrito a uma horta biológica de um produtor do PROVE, com organizações da CNA no Ribatejo, com a CAP e com a União dos Sindicatos.
Em vésperas de aprovação de uma nova Reforma da Política Agrícola Comum (agendada para 24 e 25), perante um panorama negro na agricultura portuguesa que padece de um grave défice na balança agrícola (estimado em 3.700 milhões de euros), perda de soberania alimentar, abandono de terras e desemprego, esta região encontra-se sob ameaças concretas com o desligamento da produção e a redução de apoios diretos (1º Pilar) a algumas fileiras (como o arroz – antevê-se um corte de 75%! -, fundamental no vale do Sorraia, e o tomate), e a perda, que se prevê, de 14% nas verbas alocadas ao Desenvolvimento Rural (2º Pilar) a nível nacional enquanto outros países (que são já dos que mais recebem, como a França!) verão as suas verbas aumentar! Esta reforma continua a privilegiar os grandes produtores e a produção intensiva, que recebem quase 90% das ajudas, e despreza os pequenos e médios agricultores e a aposta numa agricultura ambientalmente mais sustentável com a redução das verbas para as medidas agro-ambientais e a sua modelação à imagem dos países do norte da europa desconsiderando as realidades mediterrânicas do montado, olival e os arrozais.
“Os Verdes” exigirão a entrada em vigor dos protocolos com as associações encarregues de receber as candidaturas ao próximo quadro comunitário a tempo e horas, denunciando que existem já atrasos nesta matéria podendo atrasar investimentos fundamentais.
Num sector que tem contribuído diretamente para o aumento do desemprego líquido no Distrito, tendo a Agricultura diminuído 16% do seu peso entre 2000 e 2010, é fundamental evitar a desregulamentação, apostar no investimento, recusar as injustiças da PAC e moralizar o mercado, neste momento nas mãos das grandes superfícies que exercem uma pressão para a baixa nos preços do produtor que, juntamente com as medidas fiscais e o aumento do preço dos fatores de produção, estrangulam a atividade que tem potencialidades que tardam em ser aproveitadas.

O Conselho Nacional de “Os Verdes”
Santarém, 22 de Junho de 2013

Tempo de Antena - «Os Verdes» AFIRMAM: BASTA DE AUSTERIDADE!!!

OS PORTUGUESES NÃO QUEREM MAIS AUSTERIDADE, ESTE GOVERNO TEM DE CAIR!!!
Com intervenções do deputado do PEV à Assembleia da República, José Luís Ferreira, de vários candidatos do PEV nas listas da CDU e de militantes e activistas do PEV.

15 de Junho - «Os Verdes» em Rio Tinto em Defesa da Escola Pública

15 de Junho de 2013
Rio Tinto
O Partido Ecologista «Os Verdes» continua nas ruas com a distribuição do documento em Defesa da Escola Pública



19 de Junho no Parlamento - “Os Verdes” querem combate ao desemprego jovem


No quadro do seu agendamento potestativo, “Os Verdes” entregaram na Assembleia da República um Projeto de Resolução que procede a um conjunto de recomendações ao Governo com vista a combater o desemprego juvenil, uma iniciativa legislativa que será discutida no Parlamento na próxima quarta-feira, dia 19 de Junho.

São dramáticos os atuais números do desemprego, nomeadamente do desemprego jovem. Segundo os últimos dados do Eurostat, divulgados no final de Maio, o desemprego jovem oficial atingiu, em Portugal, os 42,5%, ou seja, quase metade dos jovens não tem emprego.

Os níveis de desemprego, nomeadamente, do desemprego jovem têm repercussões gravosas não apenas a curto prazo, mas também a médio e longo prazo. Num relatório recente a OIT refere a existência de uma relação direta entre o aumento da taxa de desemprego jovem e a diminuição subsequente da taxa de frequência do ensino superior. O desemprego jovem, designadamente dos mais qualificados, pode constituir um motor de desvalorização do ensino. Se conjugarmos isto com o acentuado desemprego de jovens qualificados existente em Portugal e com o desinvestimento brutal que o Governo está a fazer na educação em Portugal, percebe-se qual o futuro que o Governo determina a este nível para o país!

O PEV considera ainda que não pode ser ignorada a profunda precarização do trabalho que é hoje oferecida aos jovens, que vislumbram um futuro a saltitar entre uma situação de emprego a curto prazo e de desemprego, sabendo o que tudo isso comporta ao nível da insegurança na vida, da não obtenção de autonomia, de grande vulnerabilidade e de adiamento de projetos de vida, ou até de constituição de família. Verifica-se, ainda, que o período médio de procura de emprego sobe, que as situações de desemprego são mais prolongadas, que a transição do ensino para o trabalho é mais longa e que a insegurança é o que se oferece aos jovens!

“Os Verdes” estão convictos de que a luta contra o desemprego é a prioridade nacional; convictos que o desemprego jovem, em particular, requer uma urgentíssima pro-atividade no seu combate; convictos que não é possível combater o desemprego sem criar as condições necessárias para a redinamização económica do país e, no sentido de contribuir para a procura de soluções, apresentam o presente Projeto de Resolução, discutido em plenário no próximo dia 19 de Junho.

Projeto de Resolução de “Os Verdes”, cuja nota justificativa detalha a motivação do PEV para apresentação desta proposta aqui 

O Grupo Parlamentar “Os Verdes” 
O Gabinete de Imprensa de “Os Verdes”
www.osverdes.pt
Lisboa, 17 de Junho de 2013

Ecolojovem - «Os Verdes» condenam a acção do Governo Turco e estão solidários com o Povo Turco

A Ecolojovem - «Os Verdes» manifesta aqui a sua solidariedade com o Povo e com o seu legítimo direito à manifestação, e condena o brutal comportamento das forças policiais e da posição do seu governo. Comportamento este, que causou até ao dia de hoje diversos mortos e milhares de feridos, e que tem desenvolvido uma repressão excessiva e desmedida sobre o povo turco.
A Ecolojovem está solidária com o legítimo e pacífico protesto dos manifestantes turcos, contra o abate de árvores centenárias e contra a destruição do parque Gezi, na Praça Taksim, uma das poucas zonas verdes do coração histórico de Istambul. Destruição esta, com o único propósito da construção de mais uma grande superfície comercial, indesejada pela população.
O Governo Turco exerceu, desde o inicio dos protestos e manifestações, uma repressão desmesurada sobre os manifestantes, tanto em Istambul, como em outras cidades. O direito ao protesto e à manifestação foi vedado violentamente, num estado que se diz de direito.
Após dias de ameaças, esta semana o Primeiro Ministro Turco decidiu ordenar a evacuação do Parque Gezi, não cumprindo os prazos determinados. Sob ordem do Primeiro Ministro, a policia atacou os ocupantes do parque de forma violentíssima. A policia prende advogados e médicos e qualquer pessoa que tende dar ajuda aos ocupantes feridos. Todos os  acessos à Praça Taksim estão bloqueadas pela polícia e quem tentar aceder à Praça será identificado como terrorista.
Os direitos humanos fundamentais dos cidadãos Turcos estão a ser violados.
Por isso, a Ecolojovem condena a acção do Governo Turco e o seu autoritarismo. A Ecolojovem apela ao Governo Turco que cesse a repressão sobre o povo turco, e apela ao Governo Português e aos partidos portugueses, que declarem que condenam a violência na Turquia, contra o povo.

A Ecolojovem apoia e está ao lado dos Jovens Verdes Turcos, Genç Yeşiller, na sua luta pacifica contra a destruição do parque e contra a repressão sobre o povo turco.
(fonte: The Big Picture, por Tolga Bozoglu/EPA)

Ecolojovem - «Os Verdes» participa na AG da FYEG


17 a 21 de Maio de 2013
A Ecolojovem-«Os Verdes» participou na AG da Federação de Jovens Verdes Europeus (FYEG), que teve lugar em Mechelen, Bélgica.
A delegação de jovens ecologistas foi composta por Paulo Sousa e Tânia Simões













5 de Junho - Em defesa da Escola Pública passa por Coimbra

O Coletivo Regional do Porto do Partido Ecologista «Os Verdes» esteve no passado dia 5 de Junho, em Coimbra, numa ação de rua em defesa da escola pública




Intervenção de Cláudia Madeira no lançamento da Juventude CDU

Apresentação JCDU
Lisboa, Rossio – 05/06/2013
Cláudia Madeira

Boa tarde a todos

Bem-vindos a esta iniciativa de apresentação da Juventude CDU, onde a JCP, a Ecolojovem – “Os Verdes” e milhares de jovens se revêem, e onde encontramos um espaço de confluência, de conjugação de entendimento e de esforços, de esforços que são necessários para a mudança que precisamos.

A JCDU tem sido uma voz activa na construção de uma sociedade melhor, com melhores condições de vida para os jovens, onde os jovens tenham os seus direitos, liberdades e garantias assegurados.
Este ano teremos eleições autárquicas. Vamos votar para os órgãos autárquicos – câmaras, assembleias municipais e freguesias, que são uma conquista do 25 de Abril, que trouxe o desenvolvimento dos concelhos e das freguesias e contribuiu para a qualidade de vida das populações.

Até isso, este governo PSD/CDS-PP atacou. Atacou o Poder Local Democrático ao extinguir cerca de 1200 freguesias, sem um único argumento válido, contribuindo para a diminuição da participação e da democracia e acabando com serviços essenciais às populações.

Mas os ataques não ficam por aqui.
Os problemas e anseios da juventude são transversais a diversas áreas da sociedade, como o emprego, o ensino, a habitação, a cultura, o desporto, o associativismo, os transportes, o ambiente e a qualidade de vida.
E todas estas áreas, sem excepção, têm sido alvos preferenciais das políticas dos sucessivos governos e particularmente do actual governo PSD/CDS-PP, que investe em medidas brutais que conduzem a juventude à pobreza, à instabilidade, à dificuldade em realizar os seus sonhos e aspirações e em organizar a sua vida.
O desemprego não pára de aumentar. A precariedade afecta muitos milhares, e outros tantos são empurrados para a emigração.
No Ensino, os custos são cada vez mais elevados, a juntar ao aumento do custo de vida. As propinas aumentam e as bolsas são reduzidas. A Acção Social Escolar é insuficiente.
Tem havido um verdadeiro desinvestimento na área da cultura e do desporto, sendo um privilégio apenas daqueles que podem pagar.
A falta de apoio para a habitação faz com que muitos jovens vejam impossibilitada a sua emancipação.
Os constantes ataques aos transportes públicos, os brutais aumentos dos títulos de transporte e o corte dos passes escolares retira aos jovens um direito tão fundamental como é o direito à mobilidade.
O associativismo juvenil tem sido frequentemente alvo de limitações, prejudicando a actividade e intervenção do movimento associativo juvenil.

Isto é um exemplo daquilo que vivemos, e toda esta situação arrasa as aspirações dos jovens, rouba o nosso presente e o nosso futuro.

E tudo isto se passa enquanto os grandes grupos económicos continuam a engordar.

Quando vão milhões para os bancos, tira-se à educação, à saúde, ao desporto, à cultura tira-se a tudo o que é fundamental para a população e a juventude portuguesa. Todos os nossos sacrifícios vão directamente para os bolsos deles.

E se perguntarmos: isto tem que ser assim?
Não! Claro que não!
E a alternativa está aqui! E não aceitamos mais nenhum ataque!

Estas eleições autárquicas assumem um papel importante e decisivo, e temos que penalizar os responsáveis pela situação que vivemos.

Ao votarmos CDU estamos a mostrar um cartão vermelho ao PS, PSD e CDS-PP, tanto a nível local com nacional, e à troika, ao mesmo tempo que lutamos por uma política autárquica ao serviço das populações e da juventude.

Nos concelhos onde é maioria, a CDU, tem provas dadas, porque não temos políticas diferentes na rua e depois quando estamos eleitos. A nossa palavra é só uma e estamos do lado das pessoas.
A CDU, por reconhecer a capacidade e importância dos jovens, tem integrado nas suas listas vários candidatos jovens, para dar voz à juventude, a uma juventude que se interessa e se preocupa.
A uma juventude que não encara esta situação como uma inevitabilidade, mas sim como uma situação que pode e deve ser alterada.

A acção da Juventude CDU é marcada pela dedicação, pelo empenho e pelo compromisso em defesa de autarquias e de um país mais justo e mais próximo de todos nós.

E, por isso, temos alternativas e temos propostas. Consideramos urgente a aplicação de um conjunto de medidas para os jovens, para que estes possam ter a qualidade de vida a que têm direito.
Estas medidas são:
- Criação de espaços de discussão e participação juvenis
- Criação de equipamentos municipais para a juventude
- Apoio às iniciativas culturais e de lazer
- Criação de infra-estruturas e recintos para a prática desportiva, de acesso gratuito e universal;
- Promoção de políticas de incentivo para a fixação de empresas nos municípios, para a criação de emprego para os jovens;
- Promoção de programas de habitação a custos controlados e de reabilitação urbana;
- Instalação de gabinetes de apoio e atendimento juvenis orientados para a informação e encaminhamento em domínios como a cultura, saúde pública, saídas profissionais,
- Elaboração de projectos que contribuam para a formação da consciência social e política das novas gerações e para a promoção e afirmação dos valores da democracia, solidariedade, paz e multiculturalidade;
- Promoção de políticas específicas para os jovens trabalhadores das autarquias que valorizem as suas condições de trabalho e estabilidade profissional.

Com estas medidas e com uma ruptura com as políticas de direita é possível termos uma vida melhor!

Companheiros, esta iniciativa de hoje é o primeiro de muitos passos que reafirmarão e reforçarão o nosso empenho e a nossa vontade de concretizar, cada vez com mais força e ânimo, este compromisso que nos une no projecto CDU, na verdadeira e única alternativa de esquerda para a mudança necessária.

Não vamos deixar que as políticas de direita conduzam a nossa vida para caminhos desastrosos
por isso
com a Juventude CDU

TOMA NAS TUAS MÃOS, O DESTINO DA TUA VIDA!

Lançamento da Juventude CDU

5 de Junho
Praça do Rossio






7 de Junho – Viseu - “Os Verdes” continuam ações em defesa da escola pública


O Partido Ecologista «Os Verdes» continua na rua, para a realização de mais ações em defesa da escola pública. Nesta iniciativa, os ecologistas farão a distribuição de documentação sobre a matéria em causa e realizarão contactos com a população da cidade de Viseu, denunciando os ataques das políticas que estão a ser implementadas e apresentando as propostas do PEV. 
   
Calendário  
   
6ª feira – 7 de Junho  
16.00h – Central de Camionagem de Viseu  

O documento do PEV, distribuído nesta iniciativa, pode ser consultado aqui  

O Partido Ecologista “Os Verdes”
O Gabinete de Imprensa de “Os Verdes”
www.osverdes.pt
Lisboa, 6 de Junho de 2013

7 de Junho – Vila Real - “Os Verdes” continuam ações em defesa da escola pública


O Partido Ecologista «Os Verdes» continua na rua, para a realização de mais ações em defesa da escola pública. Nesta iniciativa, os ecologistas farão a distribuição de documentação sobre a matéria em causa e realizarão contactos com a população de Vila Real, nomeadamente com a comunidade estudantil, denunciando os ataques das políticas que estão a ser implementadas e apresentando as propostas do PEV.

Calendário  
   
6ª feira – 7 de Junho
12.30h – Campus da UTAD (junto à cantina)

O documento do PEV, distribuído nesta iniciativa, pode ser consultado aqui

O Partido Ecologista “Os Verdes”
O Gabinete de Imprensa de “Os Verdes”
(T: 213919 642 - F: 213 917 424 – TM: 917 462 769 -  imprensa.verdes@pev.parlamento.pt)
www.osverdes.pt
Lisboa, 6 de Junho de 2013

6 de Junho – Braga e Guimarães - “Os Verdes” continuam ações em defesa da escola pública


O Coletivo Regional de Braga do Partido Ecologista «Os Verdes» está na rua, para a realização de mais ações em defesa da escola pública. Nesta iniciativa, os ecologistas farão a distribuição de documentação sobre a matéria em causa e realizarão contactos com a população das cidades de Braga e Guimarães, nomeadamente com a comunidade estudantil, denunciando os ataques das políticas que estão a ser implementadas e apresentando as propostas do PEV.   
Calendário  
   
5ª feira – 6 de Junho
11.00h – Entrada da Universidade do Minho, Pólo de Braga (entrada da Rua Nova Santa Cruz)
12.45h – Entrada principal da Universidade do Minho, Pólo de Guimarães

O documento do PEV, distribuído nesta iniciativa, pode ser consultado aqui

O Partido Ecologista “Os Verdes”
O Gabinete de Imprensa de “Os Verdes”
www.osverdes.pt
Lisboa, 5 de Junho de 2013

5 de Junho - Coimbra - “Os Verdes” continuam ações em defesa da escola pública

O Partido Ecologista «Os Verdes» continua na rua, para a realização de mais ações em defesa da escola pública. Nesta iniciativa, os ecologistas farão a distribuição de documentação sobre a matéria em causa e realizarão contactos com a população da cidade de Coimbra, nomeadamente com a comunidade estudantil, denunciando os ataques das políticas que estão a ser implementadas e apresentando as propostas do PEV. 
   
Calendário  
   
4ª feira – 5 de Junho
13.00h – junto às escadas monumentais, Coimbra

O documento do PEV, distribuído nesta iniciativa, pode ser consultado aqui

O Partido Ecologista “Os Verdes”
O Gabinete de Imprensa de “Os Verdes”
www.osverdes.pt
Lisboa, 4 de Junho de 2013

Iniciativa de lançamento da Juventude CDU para as Eleições Autárquicas 2013 - A juventude não aguenta mais estas políticas de direita!!!

Junta-te a nós, na próxima quarta - feira, dia 5 de Maio, na Praça D. João da Câmara (em frente à estação do Rossio) - 18:00 horas


Destruição da escola pública, fim do passe escolar, constantes aumentos dos custos para estudar, baixos salários, precariedade, desemprego, emigração forçada, “encerramento” da cultura, destruição do associativismo juvenil… são realidades transversais à juventude portuguesa que arrasam as suas aspirações, o seu presente e futuro e que assombram o desenvolvimento do país.
Não há progresso nem desenvolvimento económico sem a garantia de direitos: sem educação pública para todos, sem trabalho com direitos, sem aumento dos salários, sem cultura e associativismo.
O que este Governo e estas políticas estão a fazer é optar por empurrar a maioria da população para a fome, a miséria e o obscurantismo e servir os interesses de quem já tem muito!

Dá-se milhões aos bancos, tira-se milhões à educação!
Dá-se milhões aos bancos, privatiza-se a saúde, a água e qualquer dia o ar!
Dá-se milhões aos bancos, retira-se apoios à cultura!
Dá-se milhões aos bancos, destrói-se a produção nacional, aumenta o desemprego e ainda cortam nos subsídios!
Dá-se milhões aos bancos, estes fazem ainda mais milhões e todos nós pagamos os juros do dinheiro que lhes foi entregue!

FORA COM ESTE GOVERNO, COM ESTAS POLÍTICAS E COM AS TROIKAS!

Nas escolas, nas empresas e nas ruas o povo português, em particular a juventude, tem lutado contra estas políticas e este Governo. Não há dia que passe em que este governo não roube a cada um de nós e enquanto houver um jovem que deixe de ir à escola por não ter dinheiro, um jovem que tenha que emigrar por não ter trabalho no nosso país, uma criança que passe fome porque os seus pais não têm o que lhe dar, todos os dias têm que ser dias de luta! Só a luta dos trabalhadores e da juventude pode alterar o rumo que o país leva.

No final do ano de 2013 vão-se realizar as eleições autárquicas. Vamos votar para o Poder Local Democrático (que se organiza em câmaras e assembleias municipais e freguesias), uma conquista do 25 de Abril que abriu portas para o desenvolvimento dos concelhos e freguesias e contribuiu para o bem-estar das populações. Este governo PSD/CDS-PP também atacou o Poder Local Democrático extinguindo centenas de freguesias por razões meramente económicas, contribuindo para a diminuição da participação e democracia e acabando com serviços essenciais às populações.

Nas próximas eleições autárquicas, o voto é arma do povo. Com o voto na CDU chumbamos a troika nacional (PS, PSD e CDS-PP) e a troika estrangeira (FMI, BCE e EU), lutamos por uma política autárquica ao serviço das populações e da juventude. A CDU, nos concelhos onde é maioria, tem provas dadas: deu-se um desenvolvimento ímpar de infra-estruturas colectivas nas áreas da cultura, do desporto e da habitação social, assim como outros projectos de animação e de desenvolvimento, numa aposta de apoio e estímulo ao movimento associativo, nomeadamente o associativismo juvenil e estudantil.

Medidas para a juventude:

· Criação de espaços de discussão e participação juvenis, como por exemplo fóruns ou festivais municipais da juventude, com a intervenção dos jovens, nomeadamente através das Associações Juvenis e de estudantes, formais e não formais, que permitam o envolvimento dos jovens na definição das políticas locais para a juventude;
· Criação de equipamentos municipais para a juventude, como as casas municipais da juventude, bibliotecas, etc;
· Apoiar as iniciativas culturais dos jovens (bandas, grupos de teatro, artistas, etc.) e de lazer através de espaços de criação, divulgação cultural e de promoção dos novos valores;
· Criação de infra-estruturas e recintos para a prática desportiva, de acesso gratuito e universal;
· Promoção de políticas de incentivo para a fixação de empresas nos municípios, para a criação de emprego para os jovens;
· Promover programas de habitação a custos controlados e de reabilitação urbana;
· A instalação de gabinetes de apoio e atendimento juvenis orientados para a informação e encaminhamento em domínios como a cultura, saúde pública, saídas profissionais, etc.;
· A elaboração de projectos que contribuam, pelo seu conteúdo, para a formação da consciência social e política das novas gerações e para a promoção e afirmação dos valores da democracia, solidariedade, paz e multiculturalidade;
· Promoção de políticas específicas para os jovens trabalhadores das autarquias que valorizem as suas condições de trabalho e estabilidade profissional.

TOMA NAS TUAS MÃOS OS DESTINOS DA TUA VIDA, junta-te à luta pelos direitos dos jovens, junta-te à Juventude CDU!

Aveiro - Pólo da Universidade de Aveiro - «Os Verdes» em defesa da Escola Pública

3 de Maio
O Partido Ecologista «Os Verdes» continua na rua, para a realização de mais ações em defesa da escola pública. Nesta iniciativa, os ecologistas farão a distribuição de documentação sobre a matéria em causa e realizarão contactos com a população da cidade de Aveiro denunciando os ataques das políticas que estão a ser implementadas e apresentando as propostas do PEV.